Lisboa - A transportadora aérea portuguesa TAP vai reduzir as ligações entre Lisboa/Luanda/Lisboa para oito frequências semanais a partir de 01 de julho, no âmbito da "estratégia de racionalização da oferta da companhia", informa a agência Lusa.

De acordo com fonte da companhia, não identificada, nos meses de verão a TAP chegava a realizar 10 ligações semanais entre as duas capitais, mantendo agora a operação dos voos no horário noturno, entre Luanda e Lisboa, às sextas-feiras, e aos domingos, no sentido inverso, além dos voos diurnos anteriores.

"Adequando-se assim a oferta do serviço ao mercado e correspondendo às necessidades nos dias de maior procura", segundo a companhia.

Brasília - A demanda por transporte aéreo de passageiros no Brasil registrou uma queda de 7,8% em maio deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2015. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), este foi o décimo mês consecutivo de retração na demanda doméstica.

A oferta de assentos pelas empresas aéreas também registrou redução de 8,2% em maio, o que representa a nona baixa seguida do indicador. Ao longo do ano, a demanda doméstica acumulou queda de 6,6% no ano e a oferta acumulou redução de 5,7% no mesmo período.

A Avianca foi a única empresa aérea brasileira que apresentou crescimento na demanda doméstica em maio de 2016, quando comparada com o mesmo mês de 2015 (9,6%), segundo a Anac. As empresas Tam, Azul e Gol registram retração de 12,0%, 8,2% e 7,7%, respectivamente.

A Gol e a Tam continuam na liderança do mercado doméstico, com participações de 36,6% e 34,5%, respectivamente. A participação das demais empresas somadas foi de 29%.

A demanda do transporte aéreo internacional de passageiros das empresas aéreas brasileiras registrou queda de 12,0%, em comparação ao mês de maio de 2015, enquanto a oferta internacional apresentou redução de 4,8% no mesmo período.

Luanda - A companhia aérea estatal angolana TAAG admite a possibilidade de suspender as rotas do Brasil devido à queda dos índices de ocupação nos voos que efetua entre Luanda, São Paulo e Rio de Janeiro.

Em declarações, quarta-feira (15), à RNA-Rádio Nacional Angolana, o administrador da TAAG, Joaquim Cunha, disse que os prejuízos avultados que a transportadora aérea  tem registrado naquela rota, sobretudo nos voos Luanda-Rio de Janeiro, estão a obrigar  a repensar a sua viabilidade.

De acordo com o vice-presidente do Conselho de Administração da TAAG, a redução do número de frequências para o Brasil foi uma das primeiras medidas já adotadas. 

A queda no movimento de passageiros, quer no tráfico doméstico quer nas rotas internacionais da TAAG,  é atribuída à conjuntura econômica de crise em Angola e à falta de divisas.

A redução das frequências e mesmo suspensão de voos em várias rotas possibilitou a concentração em destinos considerados prioritários, como é o caso dos voos para Portugal, disse Joaquim Cunha.