Lisboa - Os cidadãos portugueses vão ter, a partir do início de 2017, um novo modelo do passaporte eletrónico com outras características de segurança, anunciou, quinta-feira (23), o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

O novo passaporte português foi apresentado durante a cerimónia dos 40 anos de criação do SEF.

"Existe um projeto para introduzir um passaporte com outras características de segurança", tendo em conta a necessidade de renovar este documento por "razões de segurança, biometria e segurança documental", disse a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, citada pela agência Lusa.

"No início do próximo ano teremos um novo passaporte com novos requisitos de segurança, mas que não vai acarretar qualquer custo", afirmou ministra. O novo modelo só terá de ser obtido quando o atual caducar.

"Nos passaportes e segurança documental existe evolução tecnológica, os países têm que se adaptar e incorporar nos seus documentos novas características documentais que lhes garantam segurança", adiantou, realçando que o atual passaporte eletrónico português é "um documento muito seguro".

Maputo - A transportadora aérea moçambicana LAM vai suspender os voos entre Maputo e Luanda, a capital angolana, por ser uma rota deficitária, com elevados prejuízo, informa nesta quarta-feira (22) o jornal online Mediafax.

A suspensão "temporária" dos voos ligando as duas cidades é atribuída aos elevados prejuízos económicos da rota, pelo facto de voos terem baixo índice de ocupação.

O voo da LAM ligando as duas cidades é garantido por um avião Embraer 190, com capacidade para transportar 98 passageiros.

De acordo com o Mediafax, a suspensão da rota iniciada em novembro de 2009 já terá tido a concordância do presidente de Moçambique, Filipe Nyusi.

Genebra - A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou, terça-feira (21), um novo aviso para viajantes, alertando para riscos sanitários e de segurança no Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

A OMS alerta para as doenças provocadas por mosquitos como a dengue, chikungunya e o víruis zika. Para evitar a infecção pelo Zika, a organização recomenda o uso de repelentes e preservativos. A OMS reafirma no aviso que  grávidas não devem viajar para o Brasil.

Entre as recomendações da entidade, devido ao elevado índice de violência no país e em especial no Rio de Janeiro, estão ter cuidado, não viajar sozinho à noite, evitar áreas perigosas, viajar sempre acompanhado e usar apenas táxis e ônibus autorizados no aeroporto.

Outros riscos para os viajantes, segundo a OMS, são os acidentes de trânsito e as chuvas fortes, que podem provocar vítimas.