Maputo - O Conselho de Ministros de Moçambique decidiu na terça-feira autorizar a concessão de visto de fronteira aos estrangeiros oriundos de países onde Moçambique detém representação diplomática, para impulsionar o turismo e os investimentos.

Citada hoje pela imprensa, a vice-ministra da Cultura e Turismo, Ana Comoana, afirmou que, com a decisão, deixa de ser obrigatório que cidadãos dos países abrangidos pela medida obtenham o visto de entrada nas embaixadas ou consulados de Moçambique, podendo conseguir a autorização na fronteira de entrada.

"Com a nova disposição, a entrada de investidores e turistas estrangeiros fica flexibilizada, o que vai melhorar o ambiente de negócios, particularmente no setor do turismo, que pode atrair mais e novos investimentos", afirmou Comoana.

Antes da medida, apenas cidadãos estrangeiros provenientes de países sem uma representação diplomática moçambicana é que podiam obter visto na fronteira de entrada no país.

Também no sentido de catalisar os investimentos, prosseguiu a vice-ministra da Cultura e Turismo, o Conselho de Ministros decidiu introduzir o visto para a atividade de investimento, destinado a empresários que pretendem aplicar os seus ativos em Moçambique.

Segundo Ana Comoana, o Governo reduziu de 50 milhões de dólares (47,5 milhões de euros) para 500 mil dólares (475 mil euros) o montante de investimento mínimo estrangeiro no país.

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription