Bissau - O primeiro e único guia turístico da Guiné-Bissau contemporânea, publicado em 2016, vai ter este ano uma segunda edição atualizada para consolidar o país enquanto destino de viagem.

"Nos últimos meses tem havido desenvolvimentos na área turística", nomeadamente com o aparecimento de nova oferta hoteleira, o que justifica uma revisão do guia, disse Joana Benzinho, em declarações à agência Lusa.

O trabalho no terreno está em curso e a segunda edição deverá ser publicada a meio do ano, mantendo quatro línguas: português, inglês, francês e espanhol.

O guia "À descoberta da Guiné-Bissau" contará com uma versão digital gratuita na Internet, acessível em diferentes endereços -- bastando pesquisar pelo título num motor de busca, tal como já acontece com a primeira edição.

A segunda edição vai ter um novo aspeto gráfico, mais mapas do país e ilustrações de Jorge Mateus a pontuar fotos e textos sobre as nove regiões do país -- incluindo as ilhas Bijagós, uma das pérolas guineenses em que a biodiversidade é o principal trunfo.

O projeto surge numa altura em que o país continua mergulhado numa crise política, mas Joana Benzinho realçou que "a instabilidade política não interfere de forma nenhuma com o turismo".

"Nunca tivemos problemas sociais de monta e não temos assaltos ou criminalidade contra estrangeiros na Guiné-Bissau", referiu.

Joana Benzinho lidera a organização não-governamental portuguesa Afectos com Letras, que desenvolve projetos nas áreas da educação, saúde e alimentação em território guineense.

O guia surgiu como um projeto paralelo daquela responsável, em articulação com as autoridades guineenses, e é financiado na totalidade pela União Europeia, com 50 mil euros de investimento total nas duas edições.

"Temos que dar a conhecer a Guiné-Bissau, desconstruir um pouco esse mito" de que o país não é seguro, segundo Inês Pestana, gestora de projetos na delegação guineense da União Europeia (UE).

A primeira edição do guia da Guiné-Bissau já serviu para mostrar o país em certames como a Bolsa de Turismo de Lisboa e noutras iniciativas no Parlamento Europeu -- nomeadamente junto de quem reside noutros países que não têm uma relação histórica com a Guiné.

Ao mesmo tempo que sugere percursos pelo país, o guia mostra os projetos que a UE tem apoiado ao longo de 40 anos de trabalho na Guiné-Bissau.

Serve de exemplo o memorial à escravatura, um museu inaugurado em 2016 em Cacheu, cidade no norte do país, ponto de chegada dos portugueses à Guiné no século XV e entreposto da rota de escravos do Atlântico. Ou outros trabalhos relacionados com o meio-ambiente e promoção dos saberes tradicionais.

"Aqui não falamos de um turismo de massas, mas sobretudo de atividades sustentáveis, como ecoturismo", conclui Inês Pestana.

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription